O secretário da Agricultura e Pecuária (Seagro), Júnior Marzola, recebeu uma equipe de produtores e técnicos do projeto de irrigação Manuel Alves, localizado no município de Dianópolis, região Sudeste do Estado. Os produtores solicitaram melhorias de infraestrutura no projeto, como expansão da energia elétrica no local para aumentar a produção de frutas.

Nas demandas de melhorias propostas pelos os produtores foram citados: abertura de novas licitações e energização da área empresarial do projeto. “Viemos pedir apoio para melhorar as condições de trabalho, com o objetivo de produzir e gerar renda para os produtores desta região e municípios vizinhos”, disse o coordenador de Perímetro Irrigado do Projeto Manuel Alves, Ítalo Maciel.

Ao ouvir as reivindicações dos produtores, o secretário informou que vai encaminhar o pedido sobre a eletrificação à Energiza. Sobre a nova licitação, os técnicos do setor de Irrigação ficarão responsável por dar prosseguimento ao processo. “Faremos o máximo possível. É interesse do governo do Estado incentivar os produtores, atendendo as demandas para que o projeto funcione, automaticamente desenvolvendo a fruticultura”, ressaltou. O encontro ocorreu na semana passada.

Produtor

Para o produtor recém-chegado no Tocantins, Eloi Pillot, o projeto de Irrigação Manuel Alves é uma grande alternativa para produzir, principalmente frutas, o ano todo. Eloi é produtor de soja no Estado da Bahia, mas resolveu investir na fruticultura por ser uma atividade diversificada e permanente. “É uma atividade que gera renda diária e semanal. Até o final do ano pretendo plantar 83 hectares de banana e, em 2015, plantar 61 hectares de manga e 61 hectares de pinha”, ressaltou. Essa atividade produtiva possibilitará o emprego de 300 pessoas diretas e indiretas na região”, informou.


Projeto

O empreendimento beneficia diretamente a população do município de Dianópolis, o qual possui uma população de 34.700 habitantes, e, indiretamente, as comunidades dos municípios vizinhos: Almas e Porto Alegre do Tocantins. No âmbito econômico e social o projeto busca condições para a eliminação da pobreza da região, dinamizando a economia com o incremento da renda regional. Atualmente o projeto possui 880 hectares de fruticultura plantados da agricultura familiar e 700 hectares de produtores empresariais, empregando em torno de 500 pessoas diretamente.

Fonte: Surgiu.com.br