Após ouvir duas testemunhas de acusação, no caso da “farra das diárias” em Dianópolis, o julgamento foi suspenso. Segundo as informações repassadas pelo promotor de Justiça que acompanha o caso, Luiz Francisco, a oitiva deve ser retomada.
 
O julgamento dos nove vereadores de Dianópolis, todos acusados de desvio de dinheiro público por meio de recebimento ilícito de diárias, teve início nessa quinta-feira, 20, mas foi suspenso pelo juiz. As informações foram repassadas ao 
Portal T1 Notícias na manhã desta sexta-feira, 21, pelo promotor de Justiça responsável pelo caso, Luiz Francisco. De acordo com o promotor, o julgamento foi suspenso porque o juiz responsável teve que vir à Palmas atender uma convocação do Tribunal de Justiça. A oitiva deve ser retomada na próxima terça-feira.
 
No primeiro dia de julgamento, segundo informou o promotor, foram ouvidas apenas duas testemunhas de acusação. “O julgamento começou às 9 horas e foi até às 16 horas, mas foram ouvidas apenas duas testemunhas porque os advogados entraram com vários requerimentos, depois o julgamento foi suspenso porque juiz teve que ir à Palmas atender uma convocação do Tribunal de Justiça”, informou.
 
Sobre o teor dos depoimentos colhidos nessa quinta-feira pela Justiça e a expectativa do Munistério Público, o promotor afirmou, que os depoimentos foram muito útil. “As duas testemunhas disseram que haviam recebido diárias para ir à Palmas, mas que nunca viajaram, isso prova a fundamentação das denúncias. Então o Ministério Público está confiante, fizemos um trabalho bem fundamentado e acredito que eles serão sim, responsabilizados pelos atos cometidos”, declarou.
 
Questionado sobre a pena que cada vereador pode pegar em caso de conedanação, o promotor disse que, não é possível precisar porque cada juiz tem um entendimento. “Não é possível precisar a pena, pois isso depende muito do juiz, que analisar as qualificadoras”, finalizou.
 
Entenda
Todos os vereadores de Dianópolis foram denunciados pelo Ministério Público Estadual, por um suposto desvio de dinheiro público por meio do uso ilícito de diárias. Além dos nove vereadores, também serão julgados pela prática do mesmo crime, as servidoras e Keysila Monteiro Freire Rodrigues e Adriana Reis Silva e Sousa.
 
Fonte: T1 Notícias